Tecnologia do Blogger.

25 de março de 2015

Primeiras Impressões da Playlist de Hayden


Recebi essa semana o livreto com os primeiros capítulos de A Playlist de Hayden, por Michelle Falkoff, mais um lançamento que a Novo Conceito está apostando alto. Esse início de leitura já me surpreendeu. E exatamente porque as minhas primeiras impressões foram as melhores possíveis resolvi comentar um pouquinho do que estou achando do livro até agora. 

"Muitas pessoas querem ser invisíveis. Talvez elas até pensem que podem fingir que são. Mas sempre alguém as vê."

O livro é narrado por Sam e seu início é bem impactante com a morte, ou melhor, suicídio do seu melhor (e único) amigo Hayden. Seus motivos ou mesmo os acontecimentos da noite anterior que o levaram a dar cabo da própria vida serão revelados aos poucos (eu realmente espero isso) a medida em que acompanhamos Sam no presente lidando com essa perda e suas lembranças de quando seu melhor amigo ainda era vivo.


Acontece que Hayden deixa uma playlist para Sam, que é basicamente o seu bilhete de suicídio. Cada capítulo é intitulado com uma das músicas da playlist de Hayden. Resolvi que o melhor para entrar no clima da história de vez seria ler cada capítulo ao som da "sua" música, e a experiência foi fantástica!

Estou adorando não apenas o livro como também a própria playlist de Hayden, algumas das músicas eu ainda não conhecia e simplesmente me apaixonei (como é o caso de Mad World), outras eu já conhecia e adoro (One, Metallica). Vou deixar abaixo os títulos das músicas de cada um dos oito capítulos que li.
  1. How to disappear completely - Radiohead
  2. Crown of love - Arcade Fire
  3. Mad world - Tears for Fears/Gary Jules
  4. Invisible - Skylar Grey
  5. One - Metallica
  6. Pumped up kicks - Foster the People
  7. I don't want to grow up - Ramones
  8. Diane young - Vampire Weekend

Até o momento estou gostando da leitura, mas ainda não posso afirmar se o livro é mesmo assim tão bom quanto estou esperando que seja. Muitas pecinhas começam a se encaixar, segredos vão sendo revelados e um misterioso "personagem" (ou sabe-se lá o que ele é) promete "agitar" a história.


22 de março de 2015

Minhas Leituras #22 – Janeiro 2015



Oii minha gente! 

Hoje venho com vídeo novo das primeiras leituras de 2015. Meu ritmo pra leitura começou um pouco fraco este ano, mas foram ótimas leituras. Todos os três livros de janeiro já foram resenhados aqui no blog e são super recomendados. Então, espero que gostem do vídeo!


Livros lidos em janeiro de 2015:

01. Lugar Nenhum por Neil Gaiman – { resenha }
02. Caninos Brancos por Jack London – { resenha }
Veja preços || Saraiva || Submarino
03. O Lírio Dourado (Bloodlines #2) por Richelle Mead – { resenha }

19 de março de 2015

RESENHA: Tentação Sem Limites – Abbi Glines



Tentação sem Limites (Sem limites #2) por Abbi Glines
  • Editora: Arqueiro
  • ISBN: 9788580412451
  • Ano: 2014
  • Páginas: 211
  • Gênero: New Adult;
  • Onde comprar:

Finalmente dei continuidade a estória de um dos casais mais quentes do momento – Blair e Rush de Paixão sem Limites

Blair Wynn é aquela garota simples e ingênua mas com pinta de durona, ela acaba de perder a mãe e sua única opção é ir para Rosemary encontrar seu pai. Lá ela conhece o badboy do pedaço Rush Finlay e faíscas tomam conta. O primeiro livro acabou me conquistando, até porque existe uma história por trás de tanta pegação e sua leitura é bem viciante! Nesse segundo volume, Blair volta para a sua antiga cidade após saber do grande segredo de Rush, lá ela vai ter que lidar com o seu ex-namorado irritante e uma descoberta que poderá mudar ainda mais a sua vida.

Tentação sem Limites começa exatamente onde termina Paixão sem Limites, é mais como se fosse o próximo capitulo e não outro livro. A diferença aqui são alguns capítulos narrados pelo Rush, onde podemos acompanhar em primeira mão os seus sentimentos e os motivos que o levaram a agir como agiu no livro anterior.



Acontece que Blair precisa voltar para Rosemary. Ela então aceita o convite de dividir apartamento com sua amiga Bethy, consegue o emprego de volta e conta com o apoio dos amigos, principalmente de Woods (que está muito amor nesse livro). Porém, viver tão perto de Rush não será nada fácil (mesmo que de repente ele tenha ficado tão chato e possessivo). – É então que começa aquele vai e vem e o famoso "eu te amo, mas não podemos ficar juntos" que sempre aparece nos segundos volumes de alguns desses livros. Mas no geral o livro é bom, não tanto quanto o anterior, mas segue no mesmo ritmo.

Gosto dos livros da Abbi Glines porque eles fluem em qualquer lugar. Não são livros que precisamos ler e carregar sua mensagem pra vida inteira, são basicamente para passar o tempo, e apesar de não serem meu estilo favorito, admito gostar de livros assim também. 

Minha Avaliação: ✪✪✪✪->  Muito Bom!

4 de março de 2015

Minhas Leituras #21 – Julho até Dezembro


Olá pessoal! 

Estou colocando os vídeos em dia, e hoje venho mostrar e falar um pouquinho dos livros que li em julho, agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro (li muito, muito pouco, quase um livro pra cada mês, então coube tudo num só vídeo) já mais que atrasado. Sem mais desculpas para esse desastre que foi meu final de 2014. Ahh, logo, logo sai o vídeo com as leituras de janeiro desse ano e na sequencia o novo bookshelf tour (aeee \o/). 

E vamos ao vídeo!


Livros lidos nos meses de julho até dezembro de 2014:

01. A Primavera Rebelde (Queda dos Reinos #2) por Morgan Rhodes – { resenha }
Veja preços || Saraiva || Livraria Cultura
02. O Lago das Sanguessugas (Desventuras em Série #3) por Lemony Snicket
Veja preços || Saraiva || Livraria Cultura
03. Abandono (Abandono #1) por Meg Cabot – { resenha }
Veja preços || Saraiva || Livraria Cultura
04. Inferno (Abandono #2) por Meg Cabot – { resenha }
Veja preços || Saraiva || Livraria Cultura
05. A Desconstrução de Mara Dyer (Mara Dyer #1) por Michelle Hodkin – { resenha }
Veja preços || Saraiva || Livraria Cultura
06. A Evolução de Mara Dyer (Mara Dyer #2) por Michelle Hodkin – { resenha }
Veja preços || Saraiva || Livraria Cultura
07. Sem você não é Verão (Verão #2) por Jenny Han – { resenha }
Veja preços || Saraiva || Livraria Cultura
08. Sempre Teremos o Verão (Verão #3) por Jenny Han – { resenha }
Veja preços || Saraiva || Livraria Cultura


27 de fevereiro de 2015

RESENHA: O Jardim Secreto – Frances Hodgson Burnett



O Jardim Secreto por Frances Hodgson Burnett
  • Editora: Penguin – Companhia
  • ISBN: 9788563560605
  • Ano: 2013 || Lançamento: 1911
  • Páginas: 344
  • Gênero: Clássico, Infantil;
  • Onde comprar:

Ahh, O Jardim Secreto! Quando criança eu vivia encantada com o filme e só agora pude finalmente conhecer o clássico, que apesar de infantil é uma leitura inspiradora


A narrativa tem seu foco em duas crianças estragadas por tanto mimo. Primeiro conhecemos Mary Lennox, uma garotinha intragável e cheia de birras que morava na Índia. Mary passou a vida sendo esquecida, antes pela mãe que só pensava em festas e agora por todos da casa após um surto de cólera que matou seus pais e fez todos da casa fugirem as pressas deixando a pobre garota sozinha. Após resgatada, Mary foi mandada para a Inglaterra, para morar numa casa imensa e vazia pertencente ao seu tio, o sr. Craven que após perder a esposa à dez anos tornou-se um homem solitário e infeliz.

"Ela tinha um rostinho chupado, um corpinho magricela, cabelo claro muito ralinho, e estava sempre de cara amarrada."

Até então Mary não tinha nenhum contato com a natureza, não tinha ânimo, nem mesmo brincava, e tão pouco comia. Mas na Mansão Misselthwaite a visão dessa "Mariazinha Enfezadinha" começa a mudar, ainda mais depois de descobrir da existência de um jardim proibido.

É maravilhoso acompanhar a evolução dos personagens, e é isso que acontece o tempo inteiro em O Jardim Secreto. Após mudarmos a visão que tínhamos da Mary, o foco da narrativa passa para seu primo Colin Craven, uma criança pessimista e cheia de chiliques, que nunca se levanta e as poucas vezes que saia do quarto era em uma cadeira de rodas.

Colin tinha medo de tudo e estava sempre doente, todos tinham que fazer suas vontades: "Eu fico doente quando me zango", –  ele dizia. 

Quando Colin conhece Mary e fica sabendo sobre o jardim secreto, passa a ser mais alegre. Ouvir suas histórias sobre o jardim, o pisco (um passarinho inteligente e com papel importante no livro) e Dickon, um garotinho "rústico" e também um encantador de animais, transformam Colin.

"A Mágica está sempre empurrando, puxando e fazendo coisas aparecerem do nada. Tudo é feito de Mágica..."

Essas crianças acreditam numa especie de fé em si mesmas, que elas chamam de Mágica, e o jardim secreto proporciona isto. O livro tem essa leve puxada para a fantasia e é exatamente o que faz dele tão inspirador, seja para crianças ou adultos. Uma leitura agradável e muitas vezes emocionante. 


.:: RECOMENDO ::.
Minha Avaliação: ✪✪✪✪ -> Ótimo!
Essa edição (assim como os outros clássicos da Penguin) está impecável, e apesar de não ter orelhas e ser de tamanho um pouco menor (20 x 13 cm) o livro não é de bolso – o espeçamento da fonte é bom e não cansa as vistas.


19 de fevereiro de 2015

RESENHA: Ensaio Sobre a Lucidez - José Saramago



Uivemos, disse o cão!

Ensaio Sobre a Lucidez por José Saramago
  • Editora: Cia das Letras
  • ISBN: 9788535904802
  • Ano: 2004 
  • Páginas: 328

Saramago era, sem dúvida, um homem a frente de seu tempo. É impressionante como ele era capaz de recriar as simples histórias dando maior clareza. Mostrando as coisas com, de fato, elas são.

Em Ensaio Sobre a Lucidez, ele discute sobre sobre falta da lucidez em que as pessoas possui ao votarem em branco. Neste livro, que se passa na capital de um país sem nome e com personagens sem nomes. Parece-se muito com nossa realidade, não sabemos em quem votamos, para gerir o que também não sabemos. É impressionante como somos cegos com nossa política.


Ao narrar as providências de governo, polícia e imprensa para entender as razões da "epidemia branca" - ações estas que levam rapidamente a um devaneio autoritário -, o autor faz uma alegoria da fragilidade dos rituais democráticos, do sistema político e das instituições que nos governam. O que se propõe não é a substituição da democracia por um sistema alternativo, mas o seu permanente questionamento. [Cia das Letras]


A metáfora canina que inicia a obra diz muito sobre nosso atual panorama político: "uivemos, disse o cão". É preciso começar a uivar, mostrar nosso sentimento sobre a nossa política. Estamos cegos ou satisfeitos?  

Recomendo não só a leitura, como também a re-leitura desta obra. Precisamos ter mais pensamentos  e reflexões críticas sobre nossa sociedade. 

Minha Avaliação: ✪✪✪✪✪ -> Ótimo!



8 de fevereiro de 2015

RESENHA: Uma Breve História do Tempo – Stephen Hawking



Uma Breve História do Tempo por Stephen Hawking
  • Editora: Intrínseca
  • ISBN: 9788580576467
  • Ano: 2015 || Lançamento: 1988
  • Páginas: 256
  • Gênero: Física, Não-Ficção;
  • Onde comprar:

Em Uma Breve História do Tempo, Stephen Hawking nós convida a refletir sobre os grandes mistérios do universo, como ele começou e se haverá um fim? Ele é ou não infinito? E o tempo? Como funciona essa quarta dimensão espaço-temporal? É possível viajar no tempo? Ou mesmo pegar atalhos, os chamados 'buracos de minhoca'? 

Fazemos um verdadeiro passeio pela evolução de nossos conceitos da física, desde os filósofos Aristóteles e Kant passando por Copérnico, Galileu, Newton entre outros físicos até chegarmos finalmente à física moderna: relatividade (do muito grande) e mecânica quântica (do muito, muito pequeno). Stephen Hawking ainda faz um apanhado geral, esclarecendo muitas ideias, sobre buracos negros, o big bang, a teoria das cordasas 4 forças fundamentais (gravidade, força fraca, eletromagnética e força forte) e uma teoria que possa unir todas elas.

Somos levados a pensar junto com o autor a respeito de questões cruciais do universo. Um prato cheio para admiradores da cosmologia e curiosos do gênero. O livro ainda conta com várias ilustrações e um glossário super bem vindo no final.

"Contanto que o universo tenha tido um início, podemos supor que houve um criador. Mas, se o universo fosse de fato absolutamente contido em si mesmo, sem contorno nem borda, ele não teria início nem fim: ele simplesmente seria. Nesse caso, qual é o papel de um criador?"

Apesar do quote acima, Hawking não discute questões religiosas nesse livro. Seu foco é tentar entender, jundo com o leitor, como o universo funciona.


"Hoje, ainda almejamos saber porque estamos aqui e de onde viemos. O desejo profundo da humanidade pelo conhecimento é justificativa suficiente para nossa busca contínua."


Uma leitura extremamente interessante e que vale a pena, mas não vou mentir que mesmo eu (uma formanda em física) tive certa dificuldade em acompanhar o raciocínio de Hawking e não recomendo-o para todo mundo

Ainda assim o livro é cheio de ideias interessantes (algumas sem tantos termos técnicos) que qualquer pessoa é capaz de admirá-las e até entendê-las (com um pouco de esforço). É claro que você precisa nutrir interesse pelo tema (e não seria ruim ter uma noçãozinha de física também). Por sorte assisto a muitos seriados do tipo 'Como funciona o universo' e cursei matérias como: evolução da física, estrutura da matéria, mecânica clássica, mecânica quântica e métodos matemáticos da física – que me ajudaram a compreender e absorver melhor todo conteúdo de Uma Breve História de Tempo. 

Minha Avaliação: ✪✪✪✪✪ -> Ótimo!